Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Balanço Copa 2014
Início do conteúdo da página

Copa 2014

Publicado: Segunda, 16 de Dezembro de 2013, 08h25 | Última atualização em Quarta, 22 de Abril de 2015, 11h20

Balanço: atuação da Anatel na Copa 2014

A Copa do Mundo 2014 apresentou-se como um grande desafio para a Anatel, tendo em vista os altos padrões de utilização das redes de telecomunicações e, em especial, do espectro de radiofrequências. A transmissão de toda a competição ocorreu sem maiores impactos em termos de  interferências prejudiciais ou incidentes críticos que prejudicassem a realização do evento, a segurança ou a prestação de serviços à população.

Os quadros a seguir evidenciam fatos e números do balanço da atuação da Anatel na Copa 2014.

Quadro 1 – Autorizações de Uso Temporário de Espectro e Procedimento de Teste e Etiquetagem contribuíram para a prevenção de interferências prejudiciais

A Agência foi capaz de expedir 319 (trezentas e dezenove) autorizações de uso temporário de espectro, etiquetar previamente um total de 17.325 (dezessete mil, trezentos e vinte e cinco) equipamentos de telecomunicações, monitorar o espectro local e mitigar as possíveis interferências prejudiciais às entidades que participaram do evento.   

"A

Quadro 2 – Os números de interferências relatadas e de interferências procedentes indicam o êxito do intenso trabalho de controle do espectro

Como resultado do intenso trabalho de controle do espectro, durante o período da Copa do Mundo foram reportadas 62 (sessenta e duas) interferências relacionadas ao evento, número proporcionalmente menor que na Copa das Confederações 2013. Das interferências reportadas apenas 18 (dezoito) foram consideradas procedentes (29% dos casos) e solucionadas pelos Agentes de Fiscalização da Anatel.

Interferências informadas e casos considerados procedentes pela Anatel. Todos os casos considerados procedentes foram solucionados pelos Agentes de Fiscalização da Anatel.

A Agência também fiscalizou a implantação e desempenho das redes 3G e 4G para atendimento do público da Copa do Mundo 2014, visando a prevenção de falhas no atendimento à população, principalmente nos estádios e locais de maior aglomeração.

Preparação e coordenação de atividades de campo

As peculiaridades de um evento do porte da Copa do Mudo demandaram planejamento preciso, específico e uma execução altamente eficiente. A Anatel dialogou diretamente com entidades públicas e privadas envolvidas na realização e cobertura do evento, no intuito de contabilizar demandas, coordenar esforços conjuntos bem como debater soluções adequadas para cada caso.

A operação da Agência durante a Copa foi composta por uma Coordenação Nacional, 14 coordenadores locais e 303 profissionais atuando em campo. Foram realizados estudos prévios para a aquisição de equipamentos e sua correta alocação pelas equipes, bem como das equipes de Fiscalização em cada uma das doze cidades-sede. Além disso, sistemas adquiridos para monitoração de redes terrestres e de satélites foram utilizados em ações preventivas e de resposta em casos de interferências. Ações de abordagem também foram fatores importantes nos estádios para orientar a grande quantidade de entidades que utilizaria sistemas de radiocomunicação, o que contribuiu de maneira relevante ao sucesso das operações.

No trabalho durante a Copa, a Anatel contou a Coordenação Nacional, 14 Coordenadores Locais e 303 profissionais em campo.

Segurança Pública

A Agência também esteve presente no Centro Integrado de Comando e Controle Nacional (CICCN) em Brasília/DF e nos 12 Centros Integrados de Comando e Controle Regionais (CICCR) implantados nas cidades-sede, com o objetivo de acompanhar e subsidiar as Forças de Segurança Pública em assuntos relativos ao setor de telecomunicações, além de receber auxílio mútuo em caso de necessidade de ações de combate a entidades clandestinas que pudessem prejudicar a realização do evento ou colocar em risco sua segurança.

Próxima etapa: Jogos 2016

Os trabalhos da Anatel já estão em andamento para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, consolidando lições aprendidas e estabelecendo novos patamares de atendimento para a superação de mais esse desafio.

Fim do conteúdo da página