Inicial » Mais notícias » Ligações de telefone fixo para móvel ficarão até 22% mais baratas  

Mais notícias

Ligações de telefone fixo para móvel ficarão até 22% mais baratas
05 de February de 2015

As ligações locais e interurbanas feitas de telefone fixo para móvel ficarão mais baratas para o usuário. A queda será consequência da redução dos valores de referência para tarifas de remuneração de redes móveis determinada pela Anatel, conforme decisão tomada hoje pelo seu Conselho Diretor.  

A  redução é consequência do Plano Geral de Metas de Competição da Anatel, aprovado pela Resolução n° 600, de 8 de novembro de 2012, e abrange chamadas da telefonia fixa para celular, sejam ligações locais ou de longa distância, originadas nas redes das concessionárias da telefonia fixa (Oi, Telefônica, CTBC, Embratel e Sercomtel) e destinadas às operadoras móveis. 

Com as mudanças, o valor das ligações feitas de telefone fixo para móvel em que os DDDs são iguais (exemplo: telefones com o DDD 21) cairá 22%, em média. Neste tipo de chamada, a tarifa homologada para a Oi, no Rio de Janeiro, por exemplo, cairá de R$ 0,36 por minuto para R$ 0,28. No caso de São Paulo, também no caso de chamadas fixo-móvel com o mesmo DDD, o valor da tarifa da Telefônica cairá de R$ 0,35 por minuto para R$ 0,27 por minuto.

Nas chamadas de fixo para móvel em que os DDDs dos telefones de origem e de destino da ligação têm apenas o primeiro dígito igual (exemplo: DDDs 61 e 62), haverá queda de 14%, em média. A título de exemplo, o valor homologado da Oi da tarifa de conexão para esse tipo de chamada cairá de R$ 0,80 por minuto para R$ 0,69 por minuto.

Nas ligações, em que os primeiros dígitos dos DDDs do telefone fixo e do telefone móvel são diferentes (exemplo: DDDs 31 e 41), a redução será de 12%, em média. O valor homologado dessa tarifa no caso da Vivo/Telefônica, por exemplo, cairá dos atuais R$ 0,93 por minuto para R$ 0,82 por minuto.

A matéria foi relatada pelo conselheiro Marcelo Bechara.

Os novos valores devem entrar em vigor no próximo dia 24 de fevereiro.

Documento relacionado

Análise do conselheiro relator, Marcelo Bechara