Ir direto para menu de acessibilidade.
> Consumidor > Concurso Prática Inovadora > Chamadas > Dia Mundial da Televisão: a caixa que mudou o mundo
DIA MUNDIAL DA TELEVISÃO

Dia Mundial da Televisão: a caixa que mudou o mundo

Publicado: Sexta, 09 de Novembro de 2018, 09h59 | Última atualização em Terça, 27 de Agosto de 2019, 08h36 | Acessos: 3352

Em 1996, a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou que o dia 21 de novembro seria o Dia Mundial da Televisão. A data foi instituída depois do primeiro fórum internacional realizado para discutir a importância e a evolução do aparelho, evento que ocorreu no mesmo ano. Desde a sua criação, a televisão passou por muitas mudanças, partindo dos modelos em madeira com baixa resolução e imagem em preto e branco até chegar à TV Digital, com alta resolução de imagem, som (quase) perfeito e interatividade.

No Brasil, mais de 102 milhões de pessoas já estão recebendo o sinal digital de televisão, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O cronograma atual prevê que, até o fim de 2018, o sinal analógico será desligado em alguns municípios da Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. A previsão é que o processo de migração digital seja totalmente concluído em 2023.

A transição do sinal analógico para o digital começou em 2016. Além de trazer mais qualidade de imagem e som para os consumidores, o processo vai permitir a liberação da faixa de 700 MHz para a oferta da tecnologia 4G, com o intuito de aumentar o alcance do sinal no país. Atualmente o 4G usado no Brasil opera em uma frequência alta (faixa de 2.600 MHz) e para cobrir mais cidades seriam necessários investimentos elevados na construção de novas torres. Com a rede 4G na faixa de 700 MHz, o custo é menor e as operadoras passam a ter maior interesse em expandir a cobertura até cidades do interior.

A empregada doméstica Maria José de Jesus, que mora em Brasília-DF, conta o que sentiu quando teve seu primeiro aparelho de TV, em 2001: ‘’Era uma televisãozinha em preto e branco que eu mandei buscar no Paraguai e passei quase um ano pagando. Comprar uma televisão foi a melhor sensação que eu tive!’’. Com o recente desligamento do sinal analógico em sua região, Maria teve que adquirir o conversor de sinal. Ela relata que se surpreendeu com a qualidade da transmissão: “Foi uma maravilha! A imagem ficou muito melhor”.

 

Afinal, como tudo começou?

A televisão não tem apenas um criador, mas vários. Para que as imagens fossem transmitidas, foi preciso realizar diversas pesquisas com tecnologias relacionadas ao rádio e ao campo da eletrônica. Alguns pesquisadores conseguiram, simultaneamente, desenvolver experiências bem sucedidas.

Em 1906 o alemão Arthur Wehnelt criou o sistema de visão à distância (televisão) e, paralelamente, o mesmo ocorreu na Rússia, por meio dos experimentos de Boris Lvovich Rosing. Ou seja, os estudiosos projetaram uma imagem em movimento, ainda que por poucos segundos e com baixa nitidez. O sistema funcionava por meio de raios catódicos e da exploração mecânica de espelhos.

Mas, apenas em 1936, ocorreu a primeira transmissão regular de televisão no mundo, feita em Londres pela BBC, emissora pública de rádio e televisão do Reino Unido. Já no Brasil, a primeira emissora de televisão, a TV Tupi, foi inaugurada em 1950, em São Paulo. Na década de 1970, com a transmissão a cores e o aumento do número de emissoras, cada vez mais brasileiros adquiriram os aparelhos de TV.

 

TV Digital: Fique ligado no desligamento do sinal analógico!

Em 2006, o Brasil decidiu adotar o sistema japonês de Televisão digital, incorporando inovações desenvolvidas nacionalmente e, em 2007, o país deu início à transmissão simultânea  dos sinais analógico e digital. Esse sistema, além de viabilizar imagens e áudio com melhor qualidade, pode permitir conexão à Internet e maior interação com os telespectadores.

O sistema de TV Digital enfrenta problemas que a plataforma analógica não conseguia contornar, como a baixa definição de som e imagem, a ocupação de grande espaço do espectro e uma grande limitação no número de canais.

Segundo Thiago Aguiar, coordenador de regulamentação técnica da Anatel, o que se vem trabalhando é a interoperabilidade entre as novas tecnologias de TV e a internet. Ele explica como isso vai funcionar na prática: “Quando a TV estiver conectada a um canal aberto e você estiver com o seu celular em mãos, será possível sincronizar os aparelhos e assistir ao mesmo conteúdo nos dois dispositivos. Além disso, o celular vai funcionar como uma espécie de controle remoto”.

Para saber mais sobre TV Digital, acesse www.sejadigital.com.br. A Seja Digital é uma entidade que atua no desligamento dos sinais analógico. No site, o consumidor pode conferir quando o sinal analógico será desligado em sua cidade, se sua antena é adequada para receber o sinal digital, quando é preciso comprar um conversor e outras informações.

 

Quais são os meus direitos?

Quanto à televisão digital, os usuários não precisam se preocupar com custos nem mensalidade: assistir TV aberta vai continuar sendo gratuito. O consumidor precisa apenas dos equipamentos adequados para receber o sinal digital.

A digitalização também tem impactos para o consumidor de TV por assinatura. A lei prevê que, nas localidades em que os sinais analógicos da TV aberta forem desligados, as prestadoras de TV por assinatura deixam de ter a obrigação de levar de graça ao consumidor os canais das emissoras locais.

Isso não significa, contudo, que o consumidor de TV por assinatura deixará de assistir a esses canais: várias prestadoras continuarão carregando o sinal das emissoras de TV aberta. Embora o carregamento não seja mais obrigatório nesses casos, pode ocorrer a depender da negociação entre as prestadoras de TV por Assinatura e as emissoras de TV.

O serviço de TV por Assinatura é regulado pela Anatel e a prestadora deve cumprir algumas obrigações, como:

  • Na eventualidade de uma alteração de pacote que exclua um ou mais canais pagos (ou seja, todos à exceção daqueles carregados obrigatoriamente), a prestadora deverá substitui-los por outros do mesmo gênero ou promover um desconto na mensalidade paga, a critério do assinante.
  • Devem ser oferecidas as mesmas condições de contratação a qualquer consumidor.
  • O consumidor tem direito a escolher entre, pelo menos, seis opções de datas para pagar a conta.
  • Após o cancelamento do serviço, é a prestadora quem deve buscar os equipamentos na casa do consumidor, sem custos.

Quer saber mais? Acesse www.anatel.gov.br/consumidor.

registrado em:
Assunto(s): televisão , dia mundial , Anatel , caixa , mundo