Ir direto para menu de acessibilidade.

Termos de Ajustamento de Condutas

TCU determina alterações no TAC Anatel-Telefônica/Vivo

Publicado: Quarta, 27 de Setembro de 2017, 19h52 | Última atualização em Terça, 03 de Outubro de 2017, 15h47 | Acessos: 4458

Foto do Tribunal de Constas da União (TCU)

Após manifestação do conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) Igor de Freitas, o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou por unanimidade, nesta quarta-feira (27/9), em Brasília, o voto do ministro Bruno Dantas, relator do processo do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) entre a Anatel e a Telefônica/Vivo. O acórdão aprovado pelo TCU não vê impedimentos à celebração do TAC, aprovado em outubro do ano passado pela agência reguladora, desde que sejam atendidas as determinações estabelecidas pelo Tribunal.

Além disso, a Anatel terá que, 30 dias após ser notificada,  implementar as determinações  do TCU no TAC. A nova versão do acordo também deve ser aprovada pelo Conselho Diretor da Agência e encaminhada novamente para análise do TCU. Só após nova deliberação do Tribunal, a Anatel deve assinar o acordo com a Telefônica.

Durante a sua manifestação, Igor de Freitas afirmou, em relação ao TAC, que “a Anatel não tomará nenhuma medida sem a segurança jurídica necessária”. Ele também explicou que há, entre as exigências do TAC, obrigações sem retorno financeiro à prestadora, o que deve favorecer a ampliação da infraestrutura de telecomunicações em regiões carentes.

O TAC da Telefônica prevê investimentos de R$ 4,87 bilhões para ampliação do acesso à banda larga e desenvolvimento de infraestrutura de Redes de Acesso Ópticas (FTTH), além de investimentos para a garantia dos direitos dos usuários e para ações de combate as interrupções na prestação de telecomunicações.

A decisão do TCU também estabelece diversas determinações para todos os Termos de Ajustamento de Conduta que venham a ser estabelecidos pela Anatel, como:

- somente aprovar em definitivo TACs após analisar previamente a admissibilidade de cada Procedimento de Apuração de Descumprimento de Obrigações (Pados) a ser incluído no TAC e o impacto causado por cada um deles nas condições deles nas condições e no valores do acordo;

- que a Anatel estabeleça metas intermediárias para cada indicador utilizado para medir o Índice Geral da Qualidade, com a previsão de sanções por descumprimentos das metas parciais;

- que garanta que a soma das sanções aplicáveis à operadora em casos de descumprimento de cada compromisso adicional do TAC, incluindo multas diárias e a execução do Valor de Referência do item, seja superior ao montante previsto de investimentos para aquele item

- que estabeleça, em cada minuta definitiva de TAC a ser aprovada ou no respectivo Manual de Acompanhamento e Fiscalização, todas as condições iniciais necessárias para o devido acompanhamento dos compromissos previstos no acordo,

Além disso, na análise de cada TAC, inclusive aqueles em que a minuta já foi aprovada pelo Conselho Diretor da Anatel, a Agência deve avaliar o impacto do Termo de Ajustamento no cenário atual de competição dos serviços de telecomunicações nas localidades a serem atendidas pelos compromissos adicionais para reduzir o risco de que as ações previstas no TAC impactem negativamente o nível de competição.

Outra obrigação é que a Agência avalie, após o final da vigência do primeiro TAC que for concluído, a relação custo-benefício em relação à arrecadação direta das multas aplicadas, para analisar se a troca traz reais benefícios ao interesse público.

registrado em: